Histórias da Geologia

Este blog pretende ser um espaço de reflexão sobre a evolução do conhecimento geológico ao longo dos tempos, principalmente a partir do século XVII, não esquecendo porém as pequenas histórias que fazem a grande história

quinta-feira, maio 25, 2006

Descartes e as primeiras Teorias da Terra

Durante o século XVII foram publicadas algumas obras que podem ser consideradas como um testemunho dos primeiros passos na individualização da Geologia. Estas publicações, com carácter essencialmente especulativo, procuraram reconstituir a história da Terra.

René Descartes embora não tenha escrito propriamente um tratado sobre a história da Terra, propôs uma teoria explicativa da evolução gradual do nosso planeta, no Princípios de Filosofia.

De acordo com as concepções cartesianas, o Universo encontrava-se formado por três tipos de partículas imperceptíveis, em movimento constante, num espaço ausente de vácuo. Um destes tipos de corpúsculos podia, ao reunir-se no centro dos vórtices celestiais, formar as estrelas. Por sua vez, estas eram possuidoras de manchas à sua superfície, semelhantes às manchas solares, correspondentes a locais a partir dos quais se iniciaria o seu arrefecimento. O aumento gradual destas zonas daria origem à formação de uma crosta sólida. De acordo com este modelo, a Terra teria sido, no passado, uma estrela semelhante ao Sol, por isso possuiria no seu centro um matéria em combustão que seria um vestígio desta evolução.

Não sendo sempre clara a sua argumentação, Descartes fez, no entanto, acompanhar as suas teorias de algumas imagens que permitem compreender melhor as suas ideias. Uma leitura da figura 1, partindo do quadrante superior direito e seguindo o sentido do movimento dos ponteiros do relógio, permite identificar quatro distintas fases da evolução da Terra, marcadas pela individualização de diferentes camadas.



M – camada compacta e opaca
I - fogo central
1º quadrante:
A – atmosfera
2º quadrante:
B – atmosfera
C – camada sólida, dura e opaca
3º quadrante:
B – atmosfera
D – camada líquida
C – camada sólida, dura e opaca
4º quadrante:
B – atmosfera
E – camada dura constituída por várias capas de matéria, semelhantes a películas
D – camada líquida
C – camada sólida, dura e opaca

Figura 1 – Diferentes fases da evolução da Terra, de acordo com René Descartes (Princípios de Filosofia)

Numa fase mais adiantada da descrição do seu modelo, Descartes previu a formação de fissuras na camada E (fig. 2). O alargamento destas fissuras provocaria o colapso desta camada sobre a camada C. Mas uma vez que esta superfície não tinha uma área suficiente para receber todas as peças deste corpo, na mesma situação em que se encontravam anteriormente, tornou-se necessário que algumas caíssem de lado e se apoiassem umas nas outras. Desde modo, utilizando uma série de deduções lógicas, Descartes pretendeu explicar a formação das montanhas e a existência de um oceano interior com o qual comunicavam os diferentes mares.



Figura 2 – A última fase de desenvolvimento da Terra, segundo René Descartes (Princípios de Filosofia)

2 Comments:

Anonymous Profundezas... said...

Fabuloso, é sempre um prazer visitar este blog!

3:53 da tarde  
Blogger Glenda Moreira said...

É incrível como justo quando decido escrever sobre Descartes encontro um texto explitivo tão bem feito. Bom mesmo, o que vejo de negativo é que assim que Descartes afirma esta sua teoria ele a descarta em seguida, quando diz que "é bem mais verossímil que desde o começo Deus o tenha feito tal como ele devia ser". Torna tudo o que foi dito antes falacioso. =\

4:09 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home